Mc carcarás do ingá

Mc carcarás do ingá
itacoatiaras de ingá - PB

terça-feira, 4 de agosto de 2015

Honda Titan e Fan ganham motor 160cc e retoques no visual

Nova geração da linha CG está mais potente e com linhas renovadas; preço será divulgado ainda nesta semana


 



A Honda apresentou nesta segunda-feira (3) a nona geração da linha CG. A principal novidade está no motor 160cc, incorporado tanto na Titan quanto na Fan. Ambos também passaram por retoques no visual. A chegada às concessionárias está prevista para este mês e o preço será divulgado apenas na próxima quinta-feira (6).

O novo motor de 162cc desenvolve, segundo informações da fabricante, 14,9 cv a 8.000 rpm (gasolina) e 15,1 cv (etanol) na mesma faixa de rotação. O torque é de 1,40 kgf.m a 6.000 rpm e 1,54 kgf.m também a 6.000 rpm, respectivamente. A título de comparação, a Titan gerava 14,2 cv (gasolina) e 14,3 cv (etanol) a 8.500 rpm, enquanto a Fan 11,6 cv a 8.250 rpm.

O novo visual remete aos modelos de maior cilindrada da marca. Carenagens frontais, semi-carenagens laterais, defletores e assento foram renovados, assim como o tanque de combustível, com linhas mais altas na parte superior e tampa fixa ao conjunto.

A Titan tem apelo ligeiramente esportivo, evidenciados nos defletores laterais, suporte da placa, protetores e ponteiras do escape, além de pedal de freio e pedaleiras. Vale destacar as alças de apoio para o garupa em alumínio e removíveis, e a rodas em liga incorporadas à Fan. As cores oferecidas são vermelha, cinza e preta (Fan) e vermelha, branca e preta (Titan).


Recall de Honda CB 500F e CBR 500R tem 9.801 motos envolvidas

Fabricante detectou um problema no sensor de nível de combustível, o qual precisa ser trocado


 

A Honda anunciou recall envolvendo 9.801 unidades dos modelos CB 500F e CBR 500R. A convocação acontece em razão de um problema no sensor de nível de combustível, que precisa ser substituído.

De acordo com comunicado da fabricante, “poderá ocorrer o desencaixe da haste do sensor, causando a indicação incorreta do volume de gasolina, ruído no interior do tanque e possível curto-circuito com o desligamento da bomba de combustível”. Como consequência, o motor poderá ser desligado e causar prejuízo ao condutor.

A substituição gratuita do item na concessionária será feita a partir de 24 de agosto. Mais informações no honda.com.br/recall/motos ou pelo telefone 0800-701-3432 (segunda a sexta-feira).


 

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Yamaha YZF-R3 será rival da Kawasaki Ninja 300 no Brasil

Moto começa a ser vendida em novembro partindo de R$ 19.990.
Pequena esportiva tem motor de 2 cilindros e 42,01 cavalos.

Yamaha YZF-R3 (Foto: Mario Villascusa / Divulgação)

 

A Yamaha anunciou neste domingo (2) que vai vender a pequena esportiva YZF-R3 a partir de novembro no Brasil. O modelo chegará para ser a principal rival da Kawasaki Ninja 300 e terá valor de R$ 19.990, para a versão de entrada, e R$ 21.990, equipada com freios ABS.

Lançada mundialmente em 2014, a R3 é uma versão de baixa cilindrada da esportiva YZF-R1 e tem como base motor de 2 cilindros e 320,6 cc de cilindrada.

De acordo com a empresa, este bicilíndrico rende 42,01 cavalos de potência a 10.750 rpm e 3,02 kgfm de torque a 9.000 rpm.


Para o lançamento da R3 no Brasil, a Yamaha trouxe Jorge Lorenzo ao Brasil, bicampeão mundial de MotoGP, e atual piloto oficial da marca, ao lado de Valentono Rossi.

Yamaha YZF-R3 (Foto: Divulgação)

 
Yamaha YZF-R3 (Foto: Mario Villascusa / Divulgação)
Jorge Lorenzo veio ao Brasil para o lançamento da Yamaha YZF-R3 (Foto: Mario Villascusa / Divulgação)


Fonte: g1.globo.com


 

Coluna do Marcelo Assumpção Yamaha R3 e KTM 390 Duke no Brasil: por que precisamos das 300 com "algo mais"?

Esportiva Yamaha R3 tem vendas confirmadas a partir de novembro e Duke chegará às lojas nos próximos dias; veja o que trazem de novo para o mercado brasileiro




Para começarmos essa conversa, deixe um pouco de lado o número de cilindrada inscrito nos adesivos dessas motos. A potência delas passa de 40 cv, componentes como freios e suspensões são superiores, acabamento e design as deixam mais interessantes, enfim, tudo é superior ao que encontramos nas 300cc e 250cc de 1 cilindro, que agora custam em média R$ 14 mil nas concessionárias. Pagar R$ 4 mil a mais por uma Kawasaki Z300 vale a pena? Ou até 50% mais por uma R3 ou Duke? Sim, vale.

Yamaha R3 (confirmada para Novembro), KTM Duke (agosto) e as Kawasaki 300 assumem o papel das 400 de antigamente porque seus motores são incomparavelmente mais eficientes, tanto é que concorrem com a Honda CB 500F nos mercados internacionais onde são vendidas, somando o benefício de serem mais leves e fáceis de pilotar. Não podemos nos esquecer que no fim da década de 1990 nós brasileiros ficamos sem opções de motos entre as 250cc de 1 cilindro e as 600cc de 4 cilindros, que custavam o triplo. Agora essa diferença não só é menor que o triplo, como há mais opções e hoje temos entre elas as 300 com “algo mais”. A existência dessas motos é fundamental, pois permite um upgrade seguro de performance por um acréscimo de preço viável, além de representarem uma opção urbana sexy preservando a necessária agilidade nas medidas mesmo para quem poderia pagar por uma cilindrada maior.
   
Mas para o consumidor que já pode comprar as Kawasaki, qual é a novidade na chegada de uma Yamaha e uma KTM? R3 e Duke custarão tanto quanto a Ninja com ABS, mas em quase tudo entregam um pouco mais (o preço dos dois lançamentos também foi fixado em R$ 21.990, e a R3 terá uma versão sem ABS por R$ 19.990). O motor de 2 cilindros da R3 tem 321cc e rende mais torque, de 3 kgf.m a 9.000 rpm, com pico disponível antes da Kawasaki (2,8 kgf.m a 10.000 rpm). Isso promete facilitar acelerações e aquela subida de ladeira sempre sofrida quando você está acompanhado. A potência é novamente maior, de 42 cv a 10.750 rpm, novamente entregue antes dos 39 cv da Ninjinha (a 11.000 rpm). Menos peso, suspensão dianteira e disco de freio de diâmetros maiores, painel com indicador de marcha engatada e shift-light serão itens inéditos na categoria. Outra novidade para muitas pessoas será o acesso à moto, porque através das 450 concessionárias da Yamaha a R3 estará ao alcance de pessoas não atendidas pelos 40 pontos de venda da Kawasaki. 
  
Já a KTM preferiu o motor de 1 cilindro por considerar o torque como prioridade para tornar sua naked urbana mais divertida, afinal, dentro da cidade usa-se mais a capacidade de aceleração que a velocidade máxima. A Duke alcança 3,57 kgf.m a 7.250 rpm, nada fantástico considerando a cilindrada maior, não fosse a potência de 44 cv ultrapassar a das bicilíndricas. Tudo isso com 18 kg a menos que a Kawasaki Z300, ou seja, peso equivalente ao da compacta Yamaha Fazer 250, mas com o dobro de potência. O pacote inclui suspensões e freios com especificações melhores até que as da R3. Além de vendê-la nas cinco concessionárias dedicadas aos modelos de alta cilindrada, a representante da marca no Brasil aumentará o alcance da Duke através de pontos de venda Dafra ainda neste ano, e outras concessionárias de bandeira dupla a serem inauguradas em 2016.

Agora você já sabe: os próximos lançamentos de Yamaha e KTM são muito mais que 300 “caras”. Na verdade, de 300 elas só têm o nome. 












Americano Robbie Maddison surfa onda gigante de moto

Vídeo produzido no Taiti tem uma off-road KTM 300 atravessando quilômetros no mar e surfando ondas gigantes com ajuda de esquis 


 

 

 Fonte: www.revistaduasrodas.com.br

sexta-feira, 31 de julho de 2015

Kawasaki Ninja H2 enfrenta concorrentes em prova de arrancada

Motocicleta será conduzida pelo piloto de motovelocidade Bruno Corano; evento acontece neste sábado (1)


 

Como parte das ações de promoção da Kawasaki Ninja H2 no Brasil, neste sábado (1), na pista da Pirelli, em Sumaré (SP), acontece o primeiro Desafio Ninja H2. Trata-se de uma competição de arrancada em que o piloto do Superbike Series Bruno Corano e sua Ninja será desafiado por proprietários de outras motocicletas.

Cada participante terá três oportunidades de marcar tempo na sessão de classificação para a montagem das chaves da competição. No final, os três melhores colocados entram em confronto direto. Embora as atividades sejam eliminatórias, haverá sistema de repescagem. A pista terá 400 m para aceleração e outros 300 para desaceleração.

Interessados em acompanhar de perto desafio devem procurar um concessionário Kawasaki ou a escola de pilotagem MotoSchool.

 

Fonte:  www.revistaduasrodas.com.br

Recall afeta 45 mil motos da Honda nos Estados Unidos

Problema elétrico pode fazer motor parar e causar acidentes.
Empresa diz que ainda avalia se existem modelos defeituosos no Brasil. 

Honda CBR 500R também é vendida no Brasil (Foto: Gustavo Epifanio/G1)

 

A agência reguladora da segurança em estradas dos Estados Unidos (NHTSA) comunicou que um recall afetará 45.153 motos da Honda no país.

Um problema elétrico pode fazer o motor para de funcionar e aumentar a chance de acidente em 13 modelos da fabricante, incluindo CB 500, CBR 500R, CBR 600, CBR 650, CBR 300R, CRF 250L, CTX 700 e NC 700.

O G1 consultou a Honda do Brasil e a marca respondeu com o seguinte comunicado: "A respeito do recall anunciado pela American Honda, a Moto Honda da Amazônia informa que está avaliando a situação das unidades produzidas e comercializadas no Brasil e se pronunciará tão logo os levantamentos sejam finalizados".

VEJA LISTA DE MOTOS ENVOLVIDAS NO RECALL:
HONDA CB300F 2015
HONDA CB500 2014-2015
HONDA CBR300 2015
HONDA CBR500 2014-2015
HONDA CBR600 2015
HONDA CBR650 2014-2015
HONDA CRF250L 2014-2015
HONDA CTX700 2014-2015
HONDA NC700 2014-2016
HONDA NSS300 2014-2015
HONDA ST1300PA 2013-2015
HONDA VT1300 2014-2015
HONDA VT750 2014-2015


Fonte: g1.globo.com

 

Recall Harley-Davidson para motos Touring e CVO



A Harley-Davidson do Brasil anuncia recall para as motocicletas da linhna Touring, modelos Street Glide, Road King Classic, Ultra Limited, Street Glide Special e Road King Police, e das motocicletas CVO, modelos CVO Limited e CVO Street Glide, anos de fabricação 2013, 2014 e 2015, modelos 2014 e 2015, para comparecerem a uma concessionária da marca. 

Modelo
Ano de fabricação
Ano modelo
Chassi não sequencial
FLHX – Street Glide

2014
2014
9321KBMJ0ED614067 a 9321KBMJ9ED684232 e 9321KBMJXED620393 a 9321KBMJXED692341
FLHRC - Road King Classic
2013, 2014 e 2015
2014 e 2015
9321FRMJ0ED620304 a 9321FRMJ9FD679076 e 9321FRMJXED614087 a 9321FRMJXFD677417
FLHTK - Ultra Limited
2013, 2014 e 2015
2014 e 2015
9321KELJ0ED614086 a 9321KELJ9FD620390 e 9321KELJXED614077 a 9321KELJXFD622651
FLHXS – Street Glide Special
2014 e 2015
2015
9321KRMJ0FD607579 a 9321KRMJ9FD652357 e 9321KRMJXFD607587 a 9321KRMJXFD661360
FLHP – Road King Police
2015
2015
5HD1FHMC2FB652726 a 5HD1FHMC9FB652657
FLHTKSE- CVO Limited
2014 e 2015
2014 e 2015
5HD1TENC0EB955816 a 5HD1TENC9EB956446, 5HD1TENCXEB950350 e 5HD1TENG4EB955866;
9321TENJ0FD952504 a 9321TENJ9FD953506 e 9321TENJXFD954146
FLHXSE – CVO Street Glide
2014 e 2015
2015
9321PXNJ0FD953216 a 9321PXNJ9FD954834 e 9321PXNJXFD953224 a 9321PXNJXFD957564

Segundo a fabricante americana, a convocação visa o encaminhamento das motocicletas envolvidas na campanha à rede de concessionárias Harley-Davidson, para a substituição dos grampos de retenção dos pinos de fixação das bolsas laterais, por causa de possível instalação de grampos de retenção dos pinos de fixação das bolsas laterais inadequados.

Para certificar se a motocicleta deve ser direcionada a uma concessionária, a Harley-Davidson divulga informações aos clientes no site da empresa (harley-davidson.com.br), no SAC (Serviço de Atendimento ao Consumidor) – 0800 724 1188, de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h (exceto feriados) – ou ainda por e-mail (sac@harley-davidson.com.br). A Harley-Davidson também enviou carta aos proprietários, com base em seu banco de dados.

O serviço será realizado gratuitamente e terá duração máxima de 30 minutos. A Harley-Davidson recomenda o agendamento prévio do serviço em uma concessionária da marca. Para informações adicionais, basta consultar uma revenda, acessar a página eletrônica da empresa ou contatar o SAC. 

Com base no Código de Defesa do Consumidor, o Procon de São Paulo ressalta que a legislação estabelece, em seu artigo 10, que: “O fornecedor não poderá colocar no mercado de consumo produto ou serviço que sabe ou deveria saber apresentar alto grau de nocividade ou periculosidade à saúde ou segurança.
 
§ 1º O fornecedor de produtos e serviços que, posteriormente à sua introdução no mercado de consumo, tiver conhecimento da periculosidade que apresentem, deverá comunicar o fato imediatamente às autoridades competentes e aos consumidores, mediante anúncios publicitários."

Outra questão importante, que deve ser observada pelos consumidores, refere-se a exigência do comprovante de que o serviço foi efetuado, documento que deverá ser conservado e repassado adiante, em caso de venda. Caso tenha sido comercializado mais de uma vez, o atual proprietário terá o mesmo direito ao reparo gratuito.

Os consumidores que já passaram por algum acidente causado pelo defeito apontado poderão solicitar, por meio do judiciário, reparação por danos morais e patrimoniais, eventualmente sofridos.


Foto: Harley-Davidson/Divulgação


quinta-feira, 30 de julho de 2015

Primeira moto elétrica da americana Victory chega antes da Harley

Modelo tem motor de 54 cavalos de potência e ultrapassa 160 km/h.
Bateria leva quase 4 horas para recarregar completamente.

Victory Empulse TT (Foto: Divulgação)

 

A Victory Motorcycles, fabricante americana de motos, anunciou o lançamento de sua primeira moto elétrica. O modelo Empulse TT chega ao mercado norte-americano antes do modelo movido a energia elétrica da rival Harley-Davidson, ainda em fase de testes no projeto LiveWire. Chamada de Empulse TT, a moto traz tecnologia remanescente dos veículos da Brammo, recentemente adquirida pelo grupo Polaris - dono de Victory e Indian. As vendas começam até o final do ano nos Estados Unidos, com preço base de US$ 19.999.

A Victory não possui operações no Brasil, porém, sua marcar "irmã", a Indian, fará a estreia no próximo Salão Duas Rodas.

De acordo com a empresa, a Empulse TT pode rodar nas ruas e ser emplacada. A velocidade máxima pode ultrapassar os 160 km/h e a moto se encaixa nos planos de expansão da marca pelo mundo. "Somos uma empresa que não tem medo de tecnologia e novos produtos. Queremos ser fortes no segmento de motos elétricas", afirmou Steve Menneto, vice-presidente da Victory.

Para recarregar completamente a bateria de íon-lítio, é preciso de 3,9 horas. Sobre a autonomia, a Empulse pode rodar cerca de 105 km em condições normais de uso, deslocamento que pode aumentar para 160 km, em modo de condução moderado e com o auxílio dos freios regenerativos de energia.
Painel da Victory Empulse TT (Foto: Divulgação)


O modelo possui modos de pilotagem ECO e Sport, além de contar com câmbio de 6 marchas.

Em modo de funcionamento total, o motor rende 54 cavalos de potência e 8,43 kgfm de torque.

Na dianteira, o moto possui garfo do tipo invertido e, na traseira, monoamortecedor - ambos com regulagens.

Seu sistema de freios é da marca Brembo, composto por disco duplo na dianteira e simples na traseira.

O peso da moto é de 167 kg.

Victory Empulse TT (Foto: Divulgação)

Victory Empulse TT (Foto: Divulgação)


Fonte: g1.globo.com



 

quarta-feira, 29 de julho de 2015

Harley oferece condição especial para a linha Softail até o fim do mês


A Harley-Davidson anunciou nesta terça-feira, 28, que seu braço financeiro, Financial Services, oferecerá condições especiais para a compra de todas as motocicletas da linha Softail, válidas para todo o território nacional.

Até o dia 31/07, os modelos Deluxe, Fat Boy, Fat Boy Special, Heritage e Breakout, todos eles montados na unidade de Manaus (AM), podem ser adquiridos com taxa de 0,69% ao mês, com 50% de entrada e saldo em 12 ou 24 parcelas.

Os modelos da família Softail são projetados com traços simples e tradicionais e ainda tem como destaque a suspensão traseira oculta. Todas as motos são equipadas com motor Twin Cam 96B de 1.600 cm³ e transmissão de seis velocidades Six-Speed Cruise Drive.